quarta-feira, 20 de maio de 2009

O governo quer multinacionais brasileiras, e pode apoiar a Brasil Foods

 
 

Enviado para você por Penha através do Google Reader:

 
 

via carlos alberto sardenberg de Carlos Alberto Sardenberg em 20/05/09

A Brasil Foods será claramente dominante em áreas importantes do setor de alimentos. Terá, por exemplo, mais de 60% do mercado de margarinas; entre 60% e 70% de carnes resfriadas e congeladas; e quase 90% do setor de massas prontas.

Mesmo assim, a impressão nos meios econômicos é a de que a fusão será aprovada pelos órgãos do governo. De todas as grandes fusões anunciadas de alguns anos para cá, a única que acabou inteiramente vetada foi a compra da Garoto pela Nestlé - questão, aliás, que está na justiça.

Todas as demais foram aprovadas, algumas com restrições – o que pode ocorrer com a Brasil Foods. A nova empresa pode ser obrigada, por exemplo, a se desfazer de algumas marcas.

Mas o mais importante é que o governo Lula claramente favorece a formação de grandes companhias de capital nacional, capazes de expansão mundo afora. No caso da fusão Oi-Telemar, o governo apoiou politicamente, com dinheiro e suporte institucional – mudou leis para facilitar o negócio. O BNDES também apoiou a fusão Votorantim/Suzano (área de celulose).

E é possível que o BNDES compre parte das novas ações que a Brasil Foods vai lançar em breve.


 
 

Coisas que você pode fazer a partir daqui:

 
 
TwitThis
Share |

0 comentários:

;

Pesquisa na WEB

Carregando...

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também