quarta-feira, 18 de março de 2009

Emprego: evite os 5 erros na sua procura, dos classificados ao currículo



 
 

Enviado para você por Penha através do Google Reader:

 
 

via Efetividade.net de augusto em 18/03/09

Emprego é a palavra da moda. Nunca se falou tanto em currículos, classificados e vagas. Se você ainda tem o seu emprego, conserve, porque está cada vez mais difícil encontrar! A crise realmente chegou, e todos os dias vemos notícias de mais demissões em massa, trazendo consigo uma concorrência cada vez mais elevada para as vagas de emprego que surgem aqui e ali.

E a concorrência acirrada por vagas de empregos favorece quem se prepara melhor, excluindo um ou outro caso de pura sorte. Mesmo assim, todos os dias vemos exemplos de pessoas cometendo os mesmos erros básicos que as excluem de processos de seleção sem necessidade.

Será que você está cometendo algum deles? Ou algum amigo, ou pessoa da família, está procurando emprego há tempo e não consegue, apesar de ter o perfil e qualificação adequados? Confira a lista dos 5 erros mais comuns que você deve evitar.

Garanta sua vaga de emprego evitando os 5 erros básicos

  1. Atirar para todos os lados
    Você precisa ter um alvo. Por mais que a situação esteja complicada, você deve evitar o desespero de responder a todo tipo de oportunidade que aparecer, deixando assim de considerar a área, a especialidade, a localização, etc. Além da desvalorização pessoal, agir sem prioridade nem foco reduz a sua eficácia - enquanto você estiver gastando tempo em uma fila para uma vaga para a qual não tem qualificações, ou que fica longe demais para você de fato poder aceitá-la, pode estar deixando de aproveitar uma oportunidade muito melhor.
     
    O ideal é definir claramente, e o quanto antes, o que você deseja, considerando suas aptidões, pontos fortes e vulnerabilidades. A partir do conhecimento de si próprio, defina que tipo de vaga você está buscando, sendo tão seletivo quanto a sua situação permitir. Delimite por mercado, por região, por natureza da atividade, ou pelo critério que fizer mais sentido para você. Tendo escolhido um conjunto de parâmetros que constituem seu alvo, todas as outras etapas da busca poderão ser melhor direcionadas e aproveitadas. Mas cuidado para não construir muros ao redor de si: ao longo do processo, saiba quando rever os parâmetros definidos.
     
  2. Concentrar-se só nos sites e jornais de classificados de emprego
    Você precisa correr atrás das vagas ocultas. Muitas vezes as empresas recorrem aos anúncios na imprensa apenas em último caso, após já ter tentado selecionar candidatos a partir do banco de currículos já cadastrados (por isso é importante enviá-lo sempre), ou a partir de indicações de seus funcionários (está vendo a importância da sua rede de relacionamentos?), ou até mesmo em pesquisas nos bons sites de bancos de currículo. Nem sempre é o caso, mas com certeza há bem mais vagas em aberto do que aquelas que saem no jornal.
     
    Se você definiu bem o seu alvo, terá em mente qual o mercado e região em que deseja atuar. Com um pouco de pesquisa, você poderá identificar as empresas que atuam dentro destes parâmetros, e enviar a elas seu currículo, acompanhado de uma carta de apresentação personalizada deixando claro o tipo de vaga que tem em mente. Em empresas com políticas atualizadas de gestão de pessoas, estes currículos são bem recebidos, e seu envio revela iniciativa e informação. As empresas mantêm seus próprios bancos de talentos, e o seu currículo será incluído nele, e pesquisado a cada nova vaga que surgir.

  3. Ser mais um na multidão
    Você precisa ter um diferencial. Nas cidades maiores e em época de crise, dificilmente deixará de haver múltiplos candidatos para qualquer vaga de emprego que for anunciada. E a maior parte deles, aos olhos de quem estiver selecionando, será praticamente igual a quase todos os outros, sem nenhum diferencial que aumente sua chance de obter a vaga.
     
    Alcançar um diferencial relevante nem sempre é fácil, especialmente para quem já está sem emprego. Mas buscar oportunidades de fazer um curso de formação (no SENAC, SENAI, SENAT, SEBRAE, sindicatos ou outra entidade similar em sua região), publicar um artigo no jornal sobre um tema relacionado ao seu mercado de trabalho, obter alguma experiência relevante atuando como voluntário em ONGs, sempre considerando o alvo que você definiu, pode fazer a diferença para o seu currículo ir para a pilha dos que irão ser chamados para a entrevista.
     
  4. Ser discreto demais
    Sua rede de contatos precisa saber que você está em busca de uma oportunidade. Quando a necessidade não chegou ao ponto crítico, muitas pessoas tendem a considerar deselegante comentar que estão entre empregos, procurando uma oportunidade. Isto não é boa estratégia: seus amigos e conhecidos podem ficar sabendo de vagas, informar a você ou até mesmo estar em posição que permita recomendá-lo para contratação. Como já visto acima, é comum as empresas só anunciarem vagas quando não encontram alguém habilitado em seu próprio banco de talentos ou em recomendações dos funcionários atuais.
     
    Um amigo meu costuma resumir assim: o segredo para estar empregado é conhecer pessoas bem empregadas. Para o primeiro emprego às vezes é um pouco mais difícil, mas o ideal é que você comece o quanto antes a formar uma rede de relacionamentos e contatos ("networking") a que possa recorrer, sem parecer inoportuno, quando chegar o momento de procurar uma nova colocação. Ao contrário do que pode parecer à primeira vista, isso não significa tentar praticar algum tipo de alpinismo social ou de forçar envolvimentos com diretores e presidentes de grandes empresas - o que ai lhe ajudar é ser próximo (de uma forma espontânea, natural e de longo prazo) de pessoas que trabalhem no mercado e região que lhe interessam, que conheçam outras pessoas e empresas, e possam assim não apenas ficar sabendo (e lhe avisar) de vagas em aberto, como ainda idealmente lhe recomendar para o responsável pela seleção. Mas tentar formar a rede de contatos só no momento da necessidade não dá certo.
     
  5. Dar pouca atenção ao currículo e à entrevista
    Em tempos bicudos, a quantidade de candidatos é tão grande, que as empresas acabam dedicando pouco esforço à análise preliminar, removendo boa quantidade da pilha sem uma leitura completa. Se você quer ser chamado, as chances aumentam se você demonstrar empenho e capricho. Veja como fazer seu currículo, e siga também os links adicionais ao final deste artigo, para que ele se destaque positivamente dos demais.
     
    E se você for chamado para a entrevista, não vacile: prepare-se, e saiba como se comportar durante a entrevista, para aumentar suas chances. Conhecer algumas respostas para perguntas comuns de entrevistas também pode ajudar!

A bem da verdade, deixar de cometer todos os erros acima não basta para que você consiga um emprego. Mas cometer qualquer um deles reduz as suas chances de obter o emprego certo, portanto não perca a oportunidade de virar o jogo um pouco menos contra você.

Muitas vezes os empregos são perdidos por razões quase surreais, como enviar o currículo no dia errado da semana. Em outras, embora haja qualificação, o perfil do candidato não é valorizado pela empresa (mas há esperanças para quem busca emprego sem experiência ou está tentando voltar ao mercado de trabalho). Não desanime: as regras do jogo podem não estar a seu favor, mas todos os dias algumas pessoas conseguem as suas oportunidades, e você pode ser uma delas.


 
 

Coisas que você pode fazer a partir daqui:

 
 
TwitThis
Share |

0 comentários:

;

Pesquisa na WEB

Carregando...

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também