segunda-feira, 13 de abril de 2009

Agente da passiva

Recomendo este Blog, e muito bom!!!

 
 

Enviado para você por Penha através do Google Reader:

 
 

via Letras em Destaque de Andréa Ilha em 11/04/09

Em geral, as frases apresentam uma sequência em que o sujeito é quem realiza uma ação (o verbo), como, por exemplo:

"A criança riscou as paredes".
Sujeito: a criança.

Essa sequência, muito comum, tem um verbo na voz ativa, porque o sujeito realmente é quem age (por isso, ativa).

Agora, se a frase for mudada assim:

"As paredes foram riscadas pela criança", a configuração da frase mudou. Vê só: as paredes, que agora passam a ser o sujeito (porque há a concordância com o verbo), não agem mais, mas sofrem uma ação. Nesse caso, a voz é passiva, justamente porque o sujeito não age. Quem age? A criança. Então, "a criança" é o agente da passiva, porque ele é quem age (riscando as paredes) sobre o sujeito (as paredes).

Outros exemplos:

"O cachorro bebeu água" = voz ativa. Sujeito: o cachorro. Objeto direto: água.
"A água foi bebida pelo cachorro" = voz passiva. Sujeito: A água. Agente da passiva: o cachorro.

Viu que interessante? O que é objeto, na voz ativa, passa a ser sujeito. O sujeito passa a ser, então, o agente da passiva!

Mais:

"O padre rezou a missa". Qual o sujeito? Qual o objeto?
"A missa foi rezada pelo padre". Quem é o sujeito agora? E quem é o agente da passiva?

"O fogo queimou os papéis". Quem é o sujeito? Quem é o objeto?
"Os papéis foram queimados pelo fogo". E agora, o que ocorre?

 
 

Coisas que você pode fazer a partir daqui:

 
 
TwitThis
Share |

0 comentários:

;

Pesquisa na WEB

Carregando...

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também